5 resultados para Gastroenterite

em Centro Hospitalar do Porto


Relevância:

20.00% 20.00%

Publicador:

Resumo:

RESUMO A gastroenterite aguda (GEA) na criança é, ainda, uma das causas mais comuns de hospitalização e importante problema de saúde pública, no nosso país. Resulta da infecção do tracto gastrointestinal por variados agentes patogénicos que alteram a função intestinal. Assim episódios frequentes contribuem para má-nutrição ao interferirem com a absorção de nutrientes, pelo catabolismo aumentado provocado pela infecção e a redução da ingestão calórica pelos vómitos. O presente trabalho tem como objectivo fazer uma revisão sistemática de aspectos clínicos relevantes e consensos terapêuticos de acordo com recomendações recentes das Sociedades Europeia e Latino Americana de Gastrenterologia, Hepatologia e Nutrição Pediátrica.

Relevância:

20.00% 20.00%

Publicador:

Resumo:

A Salmonella é um agente implicado na gastroenterite aguda em todo o Mundo. A frequência das infecções depende da localização geográfica, condições sanitárias, idade do doente, estado imunitário etc. É um agente comum nas infecções do lactente. No recém-nascido a infecção surge geralmente após a 1ª semana de vida. Os autores descrevem o caso clínico de um recém-nascido, fruto de uma gestação de 40 semanas, complicada por uma gastroenterite materna 24 horas antes do parto, que apresentou fezes mucosanguinolentas nas 1ªs horas de vida. Na coprocultura da mãe e do RN foi isolada uma Salmonella enteritidis. Os autores chamam a atenção para a necessidade de um diagnóstico precoce a fim de evitar as complicações bacteriémicas e a contaminação de outros recém nascidos na enfermaria. ABSTRACT Salmonella infection is a common worldwide agent of acute gastroenteritis. The frequence of occurrence depends mainly on geographic localization, sanitary conditions, age of the child and his immunity stage. Salmonella is a frequent agent in infancy. In the newborn, the infection starts usually after the first week of life. The authors describe the case of a term newborn whose mother was affected by gastroenteritis 24 hours before delivery, who developed bloody and mucous stools in the first hours of life. The stool culture revealed Salmonella enteritidis in both the mother and the newborn. The prompt diagnosis is important to prevent bacteraemia and eventual contamination of other newborns host in the nursery.

Relevância:

20.00% 20.00%

Publicador:

Resumo:

RESUMO Introdução: As convulsões afebris benignas associadas a gastroenterite aguda ligeira são crises convulsivas que ocorrem em apirexia, acompanhando quadros de gastroenterite aguda, sem desidratação ou distúrbios hidroeletrolíticos. Caso clínico: Descreve-se o caso de uma criança de 15 meses de idade com três episódios convulsivos associados a gastroenterite aguda ligeira. Clinicamente não apresentava febre nem sinais de desidratação. A investigação laboratorial não evidenciava distúrbios hidroeletrolíticos. A pesquisa do antigénio do rotavírus nas fezes foi positivo. A tomografia axial computorizada cerebral e o eletroencefalograma não revelaram alterações. Não foi iniciada qualquer terapêutica e a evolução foi favorável, com remissão espontânea das convulsões em menos de 24 horas e dos sintomas gastrointestinais em quatro dias. Não houve recorrência das convulsões e o desenvolvimento psicomotor posterior foi normal. Conclusão: Os autores pretendem realçar a importância do conhecimento desta entidade reconhecida recentemente, pelo seu carácter benigno, auto-limitado e com excelente prognóstico, evitando assim investigações exaustivas e terapêutica a longo prazo com antiepilépticos.

Relevância:

10.00% 10.00%

Publicador:

Resumo:

Introdução: O síndrome de Miller Fisher, variante do síndrome de Guillain-Barré, é uma doença desmielinizante inflamatória aguda, que é rara em idade pediátrica. O seu diagnóstico é baseado na tríade oftalmoplegia, ataxia e arreflexia. Em cerca de metade dos casos está descrita uma intercorrência infecciosa precedendo os sintomas neurológicos em cinco a dez dias. Caso clínico: Os autores relatam o caso de uma criança de cinco anos de idade com disartria, ataxia e oftalmoplegia após episódio de gastroenterite aguda na semana prévia ao início da sintomatologia. À observação apresentava disartria, parésia bilateral do VI par, fraqueza muscular distal (de predomínio nos membros direitos) com ausência dos reflexos osteotendinosos aquilianos. A investigação analítica e imagiológica inicial não revelou alterações. O resultado do electromiografia foi compatível com poliradiculoneuropatia subaguda. O diagnóstico de síndrome Miller Fisher foi efectuado após exclusão de outras etiologias. A evolução clínica foi favorável, sem insuficiência respiratória ou outras complicações, com melhoria gradual dos défices neurológicos. Houve recuperação da ataxia ao fim de quatro semanas e da oftalmoplegia três meses após o diagnóstico. Conclusões: O síndrome Miller Fisher é extremamente raro em idade pediátrica e constitui um desafi o diagnóstico neste grupo etário. O prognóstico é habitualmente favorável. A propósito deste caso são discutidos os principais diagnósticos diferenciais. ABSTRACT Background: Miller Fisher syndrome, a variant of Guillain-Barré syndrome, is an acute inflammatory demyelinating disease that is rare in children. The diagnosis is based on the triad of ophthalmoplegia, ataxia and areflexia. In about half of the cases there is an infectious complication preceding neurologic symptoms in five to ten days. Case report: We describe the case of a five year-old boy who presented with a three-day history of diplopia, dysarthria and gait disturbance following an acute gastroenteritis. On examination he was found to have ataxia, areflexia and ophthalmoplegia. The laboratorial and imaging investigations were normal. The results of electromyogram were consistent with subacute polyradiculoneuropathy. The diagnosis of Miller Fisher syndrome was made after the exclusion of other conditions. The clinical outcome was favorable without respiratory failure or other complications, with gradual improvement of neurological deficits. Ataxia was restored in four weeks and ophthalmoplegia improved three months later. Conclusions: Miller Fisher syndrome is extremely rare in children and is a diagnostic challenge at those ages. Outcome is usually good. This report outlines the frequency of Miller Fisher syndrome and lists the differential diagnoses that should be considered.